Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Mostra “Saul Bass: Hitchcock e Preminger” homenageia um dos mais importantes designers gráficos da história do cinema

Em cartaz no Cine Humberto Mauro até quarta-feira, 28 de agosto, mostra tem programação gratuita
Por Redação Feira Cultural

A partir de sábado (24), o Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, exbie mostra Saul Bass: Hitchcock e Preminger, que homenageia um dos mais importantes artistas gráficos da história do cinema mundial. Na programação, estão seis obras cujos créditos iniciais e cartazes foram feitos por Bass, sendo três dirigidas pelo austríaco Otto Preminger e três pelo mestre do suspense Alfred Hitchcock. O trabalho de Bass abrangeu desde a impressão e desenvolvimento de identidade a créditos finais em mais de 30 filmes, e seu estilo de tipografia, conhecido como “corte de papel”, é um dos mais reconhecidos do design dos anos 1950 e 1960. As sessões ocorrem até quarta-feira (28), com entrada gratuita. Os ingressos devem ser retirados 30 minutos antes, na bilheteria do Cine.

Um Corpo Que Cai (EUA, 1958), de Alfred Hitchcock © Divulgação /CHM

Sua carreira em Holywood se inicia com o design de pôsteres. Após impressionar Preminger com o pôster de divulgação de Carmen Jones (1954), o diretor o convidou para produzir os créditos iniciais, tornando-o responsável pela transformação dos primeiros minutos de um filme em parte da experiência cinematográfica do espectador, revolucionando o tratamento e direção de arte no cinema. Saul Bass buscava aproveitar cada frame para instaurar uma atmosfera, utilizando o minimalismo e cores primárias para resumir em conceitos visuais a história prestes a começar. Além de Hitchcock e Preminger, o designer trabalhou, também, com diretores como Stanley Kubrick, Billy Wilder e Martin Scorsese.

A programação da mostra prioriza os cineastas que foram mais próximos do designer, e se inicia com o clássico Psicose (1960), filme em que Saul Bass, além de produzir o pôster de divulgação e a sequência animada dos créditos iniciais, desenhou o storyboard da icônica cena de assassinato no chuveiro. Em seguida, será exibido Intriga Internacional (1959), que também contou com o trabalho de Bass, bem como Um Corpo que Cai (1958), marca de um dos momentos mais importantes da carreira de Hitchcock. A abertura de Saul Bass para o clássico é considerada por muitos sua obra-prima.

Já na filmografia de Otto Preminger, o Cine Humberto Mauro exibe Carmen Jones, filme responsável pela ascensão da carreira do americano e que retrata as aventuras de uma empregada de uma fábrica de paraquedas numa base militar durante a II Guerra, sendo desejada por todos os homens. Clique aqui e acesse a programação completa da mostra.

O Homem do Braço de Ouro (1955), também dirigido pelo austríaco, traz Frank Sinatra no papel de um viciado em heroína que sonha se tornar baterista, filme em que Bass utilizou o movimento de linhas vanguardistas em branco e preto para apoiar essa narrativa que chegou a lidar com censura. Outro filme da programação é Bom Dia Tristeza (1958), em que a existência superficial da filha mimada de um viúvo parisiense é ameaçada quando ele decide se casar com uma mulher conservadora. A fim de manter sua liberdade e aventuras, a filha planeja fazer com que a futura madrasta desapareça.

Diálogo com o 21º FestcurtasBH
Segundo Bruno Hilário, gerente do Cine Humberto Mauro, a mostra introduz uma das discussões a serem levantadas durante a programação da 21ª Edição do FestcurtasBH. “Neste contexto, partimos para uma análise dos grafismos e da criação cartazes como parte imprescindível de uma produção cinematográfica, e durante a programação do Festival vamos pensar essa questão com um olhar para o cinema independente brasileiro a partir do significativo trabalho de Clara Moreira”, conta o gerente.

Durante o 21º FestcurtasBH, será aberta exposição de cartazes de filmes e festivais de cinema assinados pela artista recifense Clara Moreira. A exposição, intitulada Vislumbres de uma história de cinema, ficará em cartaz no Café do Palácio no período de 30 de Agosto a 30 de Setembro de 2019. Em mais de dez anos de atuação, a artista gráfica e visual produziu peças gráficas de grande influência que são, em seu conjunto, capazes de contar a história da última década do cinema independente nacional. A artista participará ainda do debate Filme e(m) cartaz – Cinema, Artes visuais e Artes gráficas com Giulia Puntel, artista plástica e cartazista, e mediação de Paulo Maia, antropólogo, curador e professor da Faculdade de Educação do UFMG. Informações sobre os filmes da mostra e a programação completa estão disponíveis no site oficial: festivaldecurtasbh.com.br.

História Permanente do Cinema
A mostra História Permanente do Cinema exibe o longa-metragem O Segundo Rosto (1922), dirigido por John Frankenheimer. A trama acompanha o vice-presidente de um banco que anda insatisfeito com a vida. Um velho amigo lhe apresenta uma empresa especializada em “renascimentos”, e sua morte é forjada. Após meses de cirurgias plásticas e terapia, o banqueiro ressurge como um famoso artista plástico.

Imagem em destaque: Psicose, de Alfred Hitchcock (EUA, 1960) © Divulgação /CHM

Serviço:
Mostra Saul Bass: Hitchcock e Preminger
Período:
24/8 a 28/8 (sábado a quarta-feira)
Local: Cine Humberto Mauro
Endereço: Av. Afonso Pena, 1.537 – Centro
Entrada gratuita (retirada de ingressos 30 minutos antes)
Informações: (31) 3236-7400 | fcs.mg.gov.br