Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Artistas selecionados para o Bolsa Pampulha chegam a Belo Horizonte

Programa recebeu centenas de inscrições e escolheu 10 artistas, de cinco estados brasileiros. Todos estarão reunidos no Museu de Arte da Pampulha, em 2 de abril, para a primeira atividade da residência artística
Por Redação Feira Cultural

Minas Bahia, Rio de Janeiro, Maranhão e Goiás… Dez artistas, desses cinco estados, selecionados pelo Bolsa Pampulha 2018/2019 chegaram a Belo Horizonte no dia 25 de março para início da residência artística. Eles terão sua primeira atividade em 2 de abril, quando passam a estar rotineiramente nos equipamentos culturais do Conjunto Moderno da Pampulha. Neste dia, estarão no Museu de Arte da Pampulha, das 14h às 17h, atendendo à imprensa. Durante o processo de residência artística, haverá encontros abertos com público e, ao final, exposição em equipamento cultural da cidade.

Realizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, e pelo JACA – Centro de Arte e Tecnologia, a 7ª edição do programa recebeu a inscrição de 356 projetos, dos quais dez foram selecionados: Alex Oliveira (BA), Guerreiro do Divino Amor (RJ), David de Jesus do Nascimento (MG), Dayane Tropikaos (MG), Gê Viana (MA), Sallisa Rosa (GO), Sara Lana (MG), Simone Cortezão (MG), Ventura Profana (BA) e Desali (MG). Clique aqui e conheça mais sobre os artistas contemplados. O Bolsa Pampulha tem o propósito de estimular a produção e a pesquisa em artes visuais na capital mineira, contribuindo para o processo formativo da comunidade artística local e nacional.

Durante o período da residência artística serão realizados encontros regulares com o coletivo curador, composto pelos coordenadores do JA.CA, Francisca Caporali, Samantha Moreira e Mateus Mesquita. Também acontecerão três encontros com a comissão de acompanhamento, formada pelas convidadas Beatriz Lemos, Júlia Rebouças e Mônica Hoff, além de representantes do JA.CA e do Museu de Arte da Pampulha. Todos meses, haverá uma programação aberta ao público. A primeira acontecerá no dia 14 de abril (domingo), às 15 horas, no Museu de Arte da Pampulha com apresentação da curadora e pesquisadora Beatriz Lemos.

Francisca Caporali, diretora do JA.CA, conta que foi proposto para esta edição do Bolsa Pampulha um processo no qual profissionais mulheres foram convidadas para compor a comissão de seleção e de acompanhamento, e elas selecionaram um grupo que trata também de diferentes protagonismos e urgências de representatividade e identidade. “Desejamos que exista um convívio desses artistas com outros agentes da cidade e trabalharemos para a construção dessas redes”, relata. A comissão de seleção foi composta por Beatriz Lemos, Júlia Rebouças e Rosângela Rennó, além de Samantha Moreira, como representante do JA.CA, e Augusto Fonseca, como representante do Museu de Arte da Pampulha/ Fundação Municipal de Cultura.

“Estamos encantados com o grupo de artistas selecionados. Foram dias de intenso trabalho para a avaliação das inscrições e iniciamos discussões importantes com as artistas convidadas e a Comissão de Seleção. Agora teremos seis meses, acompanhados dos bolsistas, das equipes de produção, gestão e educação dos equipamentos da Pampulha, em um território importante para a cidade, onde poderemos somar as metodologias de trabalho construídas nesses 10 anos de projetos do JA.CA aos 15 anos de experiência do programa Bolsa Pampulha”, afirma Francisca.

“O programa é um dos projetos mais importantes da Fundação Municipal de Cultura. Realizado no Museu de Arte da Pampulha, é pioneiro em residências artísticas no Brasil. Trata-se de um programa de formação que propicia aos artistas um apoio financeiro para o desenvolvimento de pesquisas e trabalhos artísticos, com um acompanhamento de pesquisadores de trajetória reconhecida na área. De caráter experimental, o programa cria diálogos entre curadores e artistas, deslocando-os de seus contextos, trazendo para Minas Gerais discussões e reflexões sobre o que existe de mais atual em Arte Contemporânea brasileira”, afirma Fabiola Moulin, presidente da Fundação Municipal de Cultura.

Crédito da imagem em destaque: Divulgação /Museu de Arte da Pampulha

Saiba mais em:
bolsapampulha.art.br