Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Armazém 356 é o próximo empreendimento que será construído às margens da BR-356

Com investimento de aproximadamente de R$ 120 milhões, projeto norteia a requalificação de toda uma região e deve ser inaugurado em 18 meses
Por Redação Feira Cultural

A saída para o Rio de Janeiro, na BR-356, altura do bairro Belvedere, vai ganhar um empreendimento de destaque: o Armazém 356. Projetado pela BLOC, idealizado e executado pelo Grupo EPO, com uma área de aproximadamente 24.000 m², o Armazém 356 resgatará antigas referências dos locais de compra dos mineiros, contando com comércio variado onde o público encontrará de tudo.

Como um verdadeiro armazém, onde as pessoas antigamente encontravam todos os itens de que necessitavam, o empreendimento será diverso e plural, contando com corredores temáticos, tudo isto num ambiente contemporâneo, despojado, aberto e de estética industrial. Será o maior investimento dos últimos anos na região.

O arquiteto urbanista Alexandre Nagazawa, sócio diretor da BLOC, explica que a concepção arquitetônica foi pautada no retrofit da estrutura existente, aproveitando sua modulação e adaptando-a para um uso novo, requalificando não só o edifício, mas toda uma região. O projeto também objetiva valorizar a Serra do Curral e a Estação Ecológica do Cercadinho que podem ser vistas e apreciadas do Armazém.

Perspectiva interna do Armazém 356

A atividade dos motéis perdeu força ao longo dos últimos anos, talvez devido uma grande mudança cultural, inviabilizando a continuidade dos negócios. Com isso, a região assumiu um caráter visual de abandono e decadência. “Com devido tratamento paisagístico e a total reutilização da estrutura construída, evidenciamos no projeto o que há de mais expressivo na edificação: a trama estrutural existente, escondida por uma grande parede cega na principal fachada do prédio antigo. Descortinamos essa estrutura, reconfigurando o fluxo de circulação interno. Assim, foi possível abrir o interior do edifício todo para fora, criar módulos de lojas e corredores com agradáveis ambiências e espaços de convivência abertos, iluminados naturalmente e com vegetação”, destaca.

A inspiração tanto do retrofit quanto do formato de armazém, como um formato de comércio despojado e aberto, veio de outros equipamentos de sucesso no Brasil e de diversas regiões do mundo. “Mas é claro, buscamos antes as referências em casa, nas nossas origens mineiras e tropeiras, nos antigos armazéns dos caminhos de minas, na forma única e marcante do Mercado Central aqui em BH, nos jardins do Shopping Cidade Jardim, em São Paulo; depois atravessamos o oceano estudando o Mercado de San Miguel, em Madri, na Espanha; o Marché Dauphine, em Saint-Ouen, na França; e ainda o Schrannenhalle Munich, em Munique, Alemanha”, pontua Nagazawa.

O projeto, em desenvolvimento desde 2016, está em fase final e faltará apenas a autorização da Prefeitura de Belo Horizonte para iniciar as obras. A previsão é que o Armazém 356 esteja funcionando após 18 meses de construção. O projeto do Armazém 356 foi elogiado e aprovado pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte. O empreendimento passou pela aprovação do Patrimônio Histórico porque está num terreno influenciado pela Serra do Curral com grandes restrições de ocupação.