Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Com direção de Ricardo Alves Jr., alunos do Cefart estreiam o espetáculo “Eclipse Solar”

Temporada do espetáculo inicia ocupação do Teatro João das Neves, novo espaço cênico que funcionará no Cefart Andradas
Por Redação Feira Cultural

Montagem estreia na sexta-feira, 30 de novembro © Ricardo Alves Jr.

Reflexões sobre política, humanismo, pessimismo e desejo de liberdade compõem Eclipse Solar, espetáculo de formatura do 3º ano do Curso Técnico de Teatro do Centro de Formação Artística e Tecnológica – Cefart, cuja estreia será no Teatro João Das Neves, no Cefart Andradas. Com direção de Ricardo Alves Jr e dramaturgia de Germano Melo, a montagem retrata, por meio de narrativa fragmentada, um grupo de expatriados na Cidade dos Exilados que, enquanto espera um eclipse solar total, se refugia em seus próprios medos para transformar a dor em potência de vida.

A montagem estreia na sexta-feira (30), com duas sessões: às 19h e às 20h. Até 15 de dezembro, o espetáculo será apresentado às quintas, com sessões às 21h, sextas e sábado, às 19h e às 21h, e domingos, às 19h. A entrada é gratuita. Ao utilizar o eclipse como metáfora, a narrativa exalta o humanismo e a liberdade diante de uma escuridão passageira. Nesta cidade imaginária, cada personagem foi exilado por motivos diversos, como invasões, guerras, revoltas, golpes de estado ou ditadores eleitos democraticamente. Entre cartas de despedida, saudade ou tristeza, a montagem revela ora o abismo da solidão, ora a dor da existência.

O elenco traz na maquiagem, nos cabelos e figurinos uma forte influência visual da disco e punk rock da década de 1980, e o cineasta Ricardo Alves Jr. foi convidado pelos alunos para dirigir a peça. Segundo ele, era proposta dos formandos realizar uma troca entre cinema e teatro, em uma criação híbrida que reunisse elementos dos dois gêneros. Assim, a ação acontece de forma simultânea, com o público podendo acompanhar tanto a atuação dos atores no palco quanto as projeções.

“Pode-se dizer que essa montagem busca resistência, que é, agora, uma palavra de ordem principalmente para a cultura. Não podemos deixar de pensar que a arte, hoje, é por si só um lugar de resistência, e isso é muito importante para uma turma que está se formando. Esse Eclipse vem apontar que é possível resistir e de que modo faremos isso”, comenta Ricardo, cujo último trabalho Russa (2018) estreou na competição de curtas metragens do Festival de Berlim.

Para completar a equipe, o diretor convidou o ator e roteirista de cinema Germano Melo para criar a dramaturgia de Eclipse Solar. O vídeo terá transmissão ao vivo, utilizando a linguagem da projeção para trabalhar um teatro de cinema com uso do primeiro plano, de forma que o público veja o máximo de expressão dos atores. “A linguagem cinematográfica está também nas luzes, na espacialização e utilização sonora, além da projeção de vídeos, apresentados como uma espécie de cartas para o futuro que se conectam, também, com o presente”, revela.

Para o diretor, ser convidado por uma turma do Cefart e trabalhar com os alunos num momento tão crucial de sua formação foi instigante. “É uma alegria e um desafio dirigir uma turma que está formando dez pessoas, com dez cabeças de artistas diferentes, buscando colocar toda a sua potência no palco. Nós que somos do teatro em Minas Gerais sabemos da importância dessa formatura, já que diversos nomes e grupos profissionais de destaque hoje representam toda uma geração de artistas que passaram pelo Cefart”, ressalta.

Cultura disco e liberdade – Eclipse Solar faz uma referência visual e sonora à década de 80, com canções como Total Eclipse of the Heart (Bonnie Tyler), I Love to Love (Tina Charles) e Take On Me (A-ha). Esse período foi escolhido pela sua possibilidade de vislumbre de um mundo democrático, com a queda do muro de Berlim e regimes autoritários em diversos países do mundo, inclusive no Brasil.

Trata-se de uma era da liberdade de expressão, da liberdade sexual, dos corpos bailando ao som da disco, da consolidação do rock como gênero musical e modo de vida. Mesclada à trilha sonora mecânica, os atores vão interpretar algumas das composições ao vivo. A ideia, conta o diretor, é mostrar que, apesar de tudo o que os exilados enfrentam, ainda há espaço para celebrar. “Mesmo diante da maior ou mais cruel adversidade, ainda somos capazes de transfigurar dor ou angústia em inquebrantável potência de vida. É preciso dançar. Pois então, sem dúvida, dançaremos”, comemora Ricardo Alves Jr.

Novo espaço – Eclipse Solar será a primeira montagem do Cefart a cumprir temporada no Cefart Andradas, nova unidade da Fundação Clóvis Salgado dedicado à formação dos alunos e também nova sede do Centro Técnico de Produção e Formação Raul Belém Machado – CTP-RBM, aproximando os estudantes dos processos de produção e criação cênicas.

Com quatro andares e 3.300m², o prédio passou por readequações que visam potencializar a vivência artística dos alunos em diversas linguagens. No último andar, está localizado o Teatro João Das Neves, um espaço multiuso, dedicado às práticas das cinco escolas de formação do Cefart e que faz uma homenagem ao dramaturgo, diretor e ator João das Neves, grande referência do teatro brasileiro, falecido em 2018.

Eclipse Solar © Ricardo Alves Jr. /Divulgação FCS

Para o curso de teatro, em especial, o “João das Neves” significa um ambiente quase que exclusivo para o desenvolvimento das práticas cênicas, possibilitando um contato ainda mais amplo com o palco. “A conquista desse espaço de formação e experimentação é um gesto dos mais importantes para toda a classe cultural. Conduzir o processo da primeira peça a ocupar esse espaço, juntamente dos jovens atores que ali se formaram, para mim é um ato de crença e resistência, por acreditar numa escola que aposta na formação de artistas como transformação da sociedade”, destaca Ricardo Alves Jr.

LEIA MAIS: Cefart Andradas, Teatro João Das Neves, e transferência do Centro Técnico de Produção e Formação Raul Belém Machado para BH fortalecem o ensino de Arte na cidade

O Teatro João das Neves é um espaço versátil, com boca de cena de 14m e 22m de profundidade, com pé direito de 4,60m. Além disso, pode receber até 200 pessoas em cada apresentação. Tanto a plateia quanto o palco podem ser desmontados e remontados para atender às necessidades dos diferentes espetáculos, podendo funcionar como um teatro de arena com arquibancadas ou um palco italiano.

O Cefart Andradas vai dividir as atividades do Centro de Formação com o Palácio das Artes. Lá, os ambientes estarão disponíveis para que os alunos possam utilizá-los como salas de aula, estúdios de dança e espaço para ensaios e oficinas de figurinos, adereços e cenários para as diferentes produções artísticas da FCS. Em mais de três décadas de história, o Cefart formou importantes nomes das artes cênicas em Minas Gerais, como os atores Cláudio Dias e Odilon Esteves da Cia Luna Lunera, Grace Passô, Rita Clemente, Cia 5 Cabeças, Cia do Chá, Cia. Dos Aflitos, Companhia Teatro Adulto, Cia Pierot Lunar e Uma Companhia, entre tantas outras.

Crédito da imagem em destaque: Ricardo Alves Jr. /Divulgação FCS

Serviço:
Espetáculo “Eclipse Solar”
Data:
30/11 a 15/12
Horário: quinta, às 21h; sexta e sábado, às 19h e 21h, domingo às 19h
Local: Cefart Andradas
Endereço: Av. dos Andradas, 723 – Centro
Entrada gratuita
Informações:
(31) 3236-7400 | fcs.mg.gov.br