Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Protagonismo feminino na dramaturgia

Janela Da Dramaturgia recebe as dramaturgas Camila Bauer (Porto Alegre/RS) e Luciana Campos (BH), para apresentação dos textos “Disritmia” e “Fábulas”, respectivamente; Encontro será seguido de um de um bate-papo, mediado pela crítica teatral Luciana Romagnolli
Por Redação Feira Cultural

Seguindo seu compromisso de apresentar para um público cada vez maior a inventividade e experimentação que tem marcado as produções dramatúrgicas do nosso tempo, a Janela de Dramaturgia promove no mês de novembro um encontro que dá protagonismo a produção feminina no cenário da dramaturgia do país. Na quarta-feira (14), às 19h, a mostra receberá no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB-BH) as dramaturgas Camila Bauer (Porto Alegre/RS) e Luciana Campos (BH), para leituras dramatizadas de seus textos dramatúrgicos. Após as leituras, haverá um bate-papo reunindo as respectivas autoras, uma debatedora convidada e a crítica teatral Luciana Romagnolli, que comandará a conversa.

A obra de Camila Bauer, intitulada “Disritmia” é um ensaio que parte do silêncio como lugar que guarda às violências, atrocidades, sonhos, segredos, desejos e motivações que nos impulsionam a seguir em frente. O título do texto parte de uma analogia com o funcionamento do coração e seu pulso que, assim como o ser humano desmotivado e sofrido, perde a vontade de continuar batendo e existindo. Do ponto de vista formal, o texto surge como um desafio de criar reflexões e ressiginificações a partir da estrutura do silêncio, construindo pequenos monólogos e diálogos que poderiam ser ditos por aquelas pessoas, dando voz às violências que sofremos diariamente e que nos fazem silenciar. É uma reflexão de como essas agressões afetam nossas pulsões e nossa vontade de viver.

Ainda, Disritmia é resultado das influências sociais e da bagagem cultural da dramaturga, que enxerga no contexto do Brasil contemporâneo um valor impactante na forma como falamos, ouvimos, sentimos e, porque não, produzimos. “Acredito muito no lugar do teatro como um espaço onde estas reflexões podem emergir, como o lugar da dúvida. Não é um lugar de moralidade, mas de ética, lugar de uma estética que surge aliada a questões éticas e existenciais. O teatro como disparador de sensações e reflexões, disparador de processos singulares e de questionamentos. A abertura a estes processos pode ser transformadora. É neste lugar que o tipo de teatro que busco pode agir, no lugar do encontro, da dúvida, da complexidade”, conta a dramaturga gaúcha Bauer.

LEIA MAIS: Programação diversificada marca a 6ª edição do “Janela da Dramaturgia”

Dando sequência ao encontro, a dramaturga belo-horizontina Luciana Campos apresenta o texto “Trajetórias”, que convida o público a ser interlocutor das experiências vividas por três personagens em momentos distintos de suas vidas, mas que são atravessados por um evento em comum: a guerra. A obra dialoga com questões intrínsecas a contemporaneidade, mas que nem sempre são noticiadas e, às vezes, sequer são ditas. A guerra é explorada como evento catalisador de elementos que modificam a existência humana e a vivência pessoal de cada um, transformando a todos que entram em contato com um evento de tamanha magnitude e amplitude temática.

“Mesmo reconhecendo a amplitude do assunto e, embora o tema seja constantemente tratado a partir de um outro lugar, distante, isto é, no âmbito e nos salões de tomada de decisão, aqueles que a vivenciam diariamente nunca são ouvidos. Quis dar um pouco de voz a eles. Nasceu, então, o enredo e as personagens; decorre daí também a escolha pelos monólogos, para que elas pudessem falar, sem que seus discursos, percepções, sentimentos e memórias pudessem ser alterados, manipulados ou silenciados. É o atual estado de coisas que me impulsiona ainda mais a pensar sobre dramaturgia, a forma como estamos passando por tudo, a construção de narrativas que emergem e se chocam com a dura realidade na qual estamos imersos e a forma como essas tensões e problemas são pensados no âmbito da cena. Para mim, o papel do dramaturgo é esse também: refletir, pensar e criticar sobre o mundo em que vive.”, conta a dramaturga Luciana Campos.

Camila Bauer é encenadora, dramaturga e professora de teoria teatral e dramaturgia no Departamento de Arte Dramática – UFRGS. Dirige o coletivo Projeto GOMPA, com o qual criou espetáculos como Inimigos na Casa de Bonecas (2018 – vencedor do Prêmio Internacional Ibsen Awards), Chapeuzinho Vermelho (texto de Joël Pommerat, 2017 – Troféu Tibicuera de Melhor Direção e Espetáculo), entre outros. Doutora em “Ciências do Espetáculo” pela Universidade de Sevilha e em “Informação e Comunicação: menção Artes da Cena” pela Universidade Livre de Bruxelas (2010), com estâncias na Espanha, França, Grécia e Bélgica. Encenou e escreveu diferentes espetáculos de teatro, dança e ópera, em países como Espanha, México, Grécia e Brasil.

Luciana Campos é natural de São José do Rio Preto, SP. Possui formação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e atualmente cursa Ciências do Estado na Universidade Federal de Minas Gerais. Atuou como professora e produtora cultural; atualmente trabalha como redatora e revisora. Integra o coletivo de poesia Nós, de versos. Cursou Dramaturgia no Galpão Cine Horto em 2017 e desde então vem estudando e pesquisando procedimentos para a escrita de novos textos teatrais.

Criado em 2012, a mostra Janela de Dramaturgia está na sua 6ª edição com uma trajetória marcada pelo fomento, divulgação e incentivo à produção dramatúrgica no país. Idealizada pelos dramaturgos Sara Pinheiro e Vinícius Souza, se consolidou como um evento que é referência na área, desenvolvendo um papel fundamental na cena dramatúrgica nacional e no cenário teatral. Seguindo a programação de 2018, que está sendo realizada ao longo de todo o semestre, no Centro Cultural Banco do Brasil, o CCBB-BH, a mostra apresentará ao público a leitura dramatizada de obras inéditas, escritas por autores brasileiros, além de dois textos de dramaturgos estrangeiros e de promover a escrita de críticas teatrais e bate-papos com os autores participantes da programação.

*Crédito da imagem em destaque: Athos Souza

Serviço:
Janela da Dramaturgia recebe Camila Bauer e Luciana Campos
Data:
14/11 (quarta-feira)
Horário: 19h
Local: Teatro II CCBB
Endereço: Praça da Liberdade, 450 – Funcionários
Entrada gratuita
Informações:
(31) 3431-9400 | janeladedramaturgia.com