Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

A volta dos que não foram…

Remy voltou à vida em “Segundo Sol”; confira outros personagens que voltaram “do além” na TV brasileira desde 1985
Por Antônio Pedro de Souza

O personagem Remy (Vladimir Brichta), que fingiu estar morto na novela Segundo Sol reapareceu esta semana. No encalço desde falso morto-vivo, o Site Feira Cultural foi atrás de outros personagens que se fingiram de mortos por algum motivo na TV brasileira. Começamos nossa lista em 1985:

1 – Luís Roque Duarte (José Wilker) – Roque Santeiro, 1985/86:

O personagem-título da trama de Dias Gomes e Aguinaldo Silva é dado como morto após um ataque do cangaceiro Navalhada na pequena cidade de Asa Branca. Pouco depois, uma garota, para fugir do castigo dos pais, diz ter tido uma visão do rapaz. É o ponto de partida para a criação de um mito em torno da figura de Roque Santeiro. Dezessete anos se passam e Asa Branca cresceu em torno deste mito – um quase santo que, segundo dizem, faz diversos milagres no local. Só que Luís, sem saber da lenda que fora criada em torno de sua história, retorna à cidadezinha disposto a contar a verdade sobre o seu afastamento: na verdade, ele nunca enfrentara o cangaceiro, mas aproveitara a baderna causada pelo bandido para fugir roubando uma boa quantia de dinheiro. A partir daí, o Roque humano passa a enfrentar o Roque mito num verdadeiro duelo moral.

2 – Tieta (Claudia Ohana/Betty Faria) – Tieta, 1989/90

Maria Antonieta foi expulsa de casa pelo pai quando era jovem. Em São Paulo, fez fortuna e passou a ajudar a família. No entanto, num belo mês, os cheques cessam. O tempo passa e não resta dúvidas à família: Tieta está morta! Durante a missa em homenagem à alma da mulher, ela aparece dizendo que, após a morte do marido, resolvera voltar para Santana do Agreste, a fim de verificar o que sua família veio fazendo com o dinheiro que ela enviava mensalmente. Segredos incômodos passam a ser revelados a partir daí, num verdadeiro jogo de acusações mútuas e amores ardentes.

3 – Francesca Ferreto (Teresa Rachel) – A Próxima Vítima, 1995

Maior que a surpresa de descobrir no último capítulo quem era o assassino da trama de Sílvio de Abreu, foi descobrir no penúltimo capítulo que Francesca Ferreto estava viva! Ela fora, supostamente, assassinada no sexto capítulo da trama, mas nos instantes finais do capítulo 202 reaparece, desembarcando no aeroporto de São Paulo e fugindo da imprensa. Francesca forjara a própria morte para escapar do assassino misterioso e, para isso, recebera a ajuda da irmã, Filomena Ferreto. No fim, seu retorno acaba ajudando a revelar a identidade do criminoso.

            4 – Lulu de Luxemburgo (Fernanda Torrres/Fernanda Montenegro), Fausto Cavalcante (Francisco Cuoco) e Adriano (Thiago Lacerda) – As Filhas da Mãe, 2001/02

            Nesta divertida trama de Sílvio de Abreu, não foi apenas uma falsa morte, mas três! Lucinda se defende de um estupro e mata seu agressor, mas em vez de receber o apoio do marido, passa a ser chantageada, tendo que fugir do Brasil e assumindo a identidade de Lulu de Luxemburgo. Fausto, seu marido, dá um jeito de forjar sua morte. Cerca de trinta anos depois, em 2001, é o próprio Fausto que desaparece, causando em todos a suspeita de que está morto. Com o desaparecimento do marido, Lulu volta ao Brasil – agora como uma famosa cineasta – disposta a recuperar o amor de suas três filhas. Em meados da trama, Fausto reaparece – mas é assassinado pouco depois, desta vez pra valer – e, no capítulo final, Adriano – afilhado de Fauto e cafajeste de carteirinha – cai no mar. No entanto, no fim do capítulo, reaparece em Roma, reiniciando um novo legado de falcatruas.

            5 – Cecília (Déborah Secco) – A Padroeira, 2001/02

            No penúltimo capítulo desta trama religiosa de Walcyr Carrasco, Cecília utiliza o mesmo artifício da obra Romeu e Julieta, tomando uma poção que a deixaria como morta, para que pudesse se livrar de Dom Fernão (Maurício Mattar) e poder viver seu amor ao lado de Valentim (Luigi Barricelli). No entanto, a moça quase morre mesmo, chegando a ser enterrada viva e passando por maus bocados. No fim, Valentim consegue salvá-la e os dois têm um final feliz. Quem prestou atenção na novela desde o começo, percebeu que a bruxa que vivia na floresta disse, ao conhecer Cecília, de que ela precisaria “morrer para renascer”…

6 – Apolo e Paco (Reynaldo Gianecchini) – Da Cor do Pecado, 2004

Primeira novela solo de João Emanuel Carneiro e grande sucesso da primeira metade dos anos 2000, Da Cor do Pecado trouxe uma curiosa história de gêmeos: Apolo e Paco foram separados ainda bebês, Apolo ficando com a mãe, a lutadora Edilásia Sardinha e Paco com o pai, o empresário Afonso Lambertini. Apolo e Ulisses (Leonardo Brício) partem em uma viagem em alto mar, se envolvem em uma confusão com bandidos e são alvo de uma emboscada, sofrendo um acidente de barco próximo a São Luís do Maranhão. Paralelo a isso, Paco, que também estava visitando a cidade, se apaixona por Preta (Taís Araújo) e resolve terminar o longo noivado com Bárbara (Giovanna Antonelli). Bárbara, porém, faz várias armadilhas e Paco, pensando ter sido traído por Preta, resolve voltar para o Rio de Janeiro pilotando um helicóptero. Bárbara entra na aeronave, os dois discutem e o rapaz resolve pôr um fim em tudo, jogando o helicóptero no mar. Bárbara o ataca, consegue fugir e Paco fica desacordado, sendo salvo do afogamento por Ulisses, que está à procura do irmão, Apolo. Ao ver a semelhança entre os dois, Ulisses propõe a Paco que se passe por Apolo, para não entristecer Edilásia. Paco, que estava disposto a mudar de vida, vê nessa troca a chance de recomeçar e assume a identidade do lutador. Enquanto Afonso chora a morte de Paco, Edilásia comemora o regresso dos filhos – embora esteja triste pela morte do filho que não conseguiu criar. Aos poucos, Paco começa a se revelar para as pessoas mais próximas, mas no momento em que Afonso descobre a verdade, é assassinado por Tony (Guilherme Weber), comparsa de Bárbara. No fim da novela, Ulisses parte novamente para o Nordeste brasileiro e encontra o verdadeiro Apolo, trazendo-o de volta ao lar.

            7 – Bia Falcão (Fernanda Montenegro) – Belíssima, 2005/06

            Atual reprise do Vale a Pena Ver de Novo, Belíssima não é uma novela empolgante, mas soube criar mistério em torno da morte de Bia Falcão. Próximo ao fim, descobre-se que o acidente que ela sofrera fora forjado e que ela está viva! No último capítulo, a vilã foge e não paga pelos seus crimes.

8 – Bel (Mariana Ximenes) e Martim/Luciano (Carmo Dalla Vechia) – Cobras & Lagartos, 2006

            Segunda novela de João Emanuel Carneiro. Na trama, Bel é a herdeira de um império deixado por Omar Pasquim (Francisco Cuoco). A moça é sobrinha do milionário que descobre ter pouco tempo de vida. Para protegê-la das garras do inescrupuloso Estevão (Henri Castelli), noivo da moça, Omar resolve deixar metade da herança para a sobrinha e a outra metade para Daniel Miranda (Daniel de Oliveira), o Duda, rapaz de bom coração que salvou Omar de um assalto e nutre uma paixão secreta por Bel. Apesar de doente, Omar acaba sendo morto por Leona (Carolina Dieckman), também sobrinha de Omar e Estevão em uma armadilha no depósito da empresa. Quando o testamento é aberto, a dupla de vilões se surpreende ao descobrir que Bel não é a única herdeira, o que dificulta um golpe. No entanto, Duda também não recebe nada, já que Foguinho (Lázaro Ramos), um trambiqueiro vizinho de Duda, é quem põe a mão no dinheiro! Isso porque o nome verdadeiro de Foguinho é Daniel Miranda, ou seja, ele é homônimo do verdadeiro herdeiro! Lá pela metade da trama, Estevão resolve pôr fim à vida de Bel e explode uma lancha em que a moça está. Ela, no entanto, não morre e reaparece em uma festa à fantasia vestida de Mulher-Gato, iniciando sua vingança contra Estevão. Paralelo a isso tudo, Martim/Luciano, é um homem misterioso, com problemas de memória, que se vê vítima das armações de Estevão, Leona e Otaviano (Herson Capri). Após descobrirem que o rapaz é filho legítimo de Omar – e portanto, herdeiro do milionário – os três armam uma emboscada que fazem todos acreditarem que o homem cometeu suicídio. Tempos depois, a verdade vem à tona.

9 – Dodi (Murilo Benício), Donatela (Cláudia Raia) e Diva (Giulia Gam) – A Favorita, 2008/09

Outra trama de João Emanuel Carneiro. Comparsa de Flora (Patrícia Pillar) na maioria de seus crimes, o vilão Dodi acaba sendo vítima da própria parceira. Porém, da primeira vez, o feitiço vira contra a feiticeira: ela explode um chalé enquanto Dodi está dormindo, mas ele aparece atrás dela sorrindo e começando um novo jogo de chantagens e armações. Perto do fim da novela, ele é realmente assassinado pela vilã. Enquanto isso, Donatela que foi presa acusada dos crimes cometidos por Flora, tem que forjar a própria morte na cadeia para escapar com vida e tentar provar sua inocência em liberdade. Depois que uma presidiária morre doente, Diva (Giulia Gam) inicia um incêndio em uma das celas, para parecer que Donatela é quem havia morrido. Já Donatela, que fugira usando a identidade de Diva, pensa que foi a amiga quem morreu. No fim, descobre-se que Diva (que também usa o nome de Rosana), também escapara da prisão.

10 – Raul Cadore (Alexandre Borges) – Caminho das Índias, 2009

Longe da trama principal da novela de Glória Perez, Raul não está em uma boa fase no casamento com Sílvia (Débora Bloch). Ao conhecer Yvone (Letícia Sabatella), amiga de infância de Sílvia, o homem se apaixona e aceita participar de uma trama macabra: simular a própria morte, fugir do país e começar uma vida nova. Após assumir a identidade de Humberto Cunha, Raul leva um golpe de Yvone e se descobre sozinho no exterior, sem dinheiro e longe da família.

11 – Clara Medeiros (Mariana Ximenes) e Totó (Tony Ramos) – Passione, 2010/11

Trama de Sílvio de Abreu. Depois de infernizar a vida de todos os personagens de Passione, Clara sofre um acidente no fim do penúltimo capítulo e é dada como morta, já que um corpo carbonizado é encontrado junto aos destroços do veículo. Na cena final, porém, descobrimos que Clara era a assassina de Saulo Gouveia (Werner Schünemann), conseguira incriminar Fred (Reynaldo Gianecchini) e simulara o acidente (o corpo, na verdade, era de uma funcionária da lanchonete em que Clara também trabalhava). Clara termina a novela em uma praia, vestida de enfermeira e cuidando de um idoso, dando a ideia de que começaria um novo ciclo de crimes. Antes disso, porém, o próprio Totó havia simulado a morte em uma armadilha para desmascarar Clara. Um suposto ladrão invade a casa dos dois e, enquanto Totó tenta segurá-lo, Clara pega a arma e atira no marido, “matando-o” acidentalmente. Dias depois, Totó reaparece vivo e Clara é desmascarada.

12 – Cícero Bezerra (Miguel Rômulo) – Cordel Encantado, 2011

Trama de Thelma Guedes e Duca Rachid. Depois de apanhar de Timóteo (Bruno Gagliasso), o rapaz se une aos cangaceiros e parte em busca de justiça. Porém, depois de uma batalha, leva uma facada de Timóteo e é tido como morto. Enquanto seu corpo é levado para o cemitério, o cangaceiro Herculano (Domingos Montagner) interrompe o cortejo e leva o corpo à força para que seja enterrado como um cangaceiro. O fato acaba salvando a vida de Cícero, já que durante o novo velório, o rapaz começa a se mexer e é salvo por Dona Cândida (Ilva Niño), mãe de Herculano.

13 – José Alfredo (Alexandre Nero) – Império, 2014/15

            Trama de Aguinaldo Silva. Em meados da novela, José Alfredo tem que forjar a própria morte para desmascarar alguns rivais. Ele toma uma poção preparada por um curandeiro e todos acreditam em sua morte. No entanto, alguns sufocos acontecem: primeiro, sua esposa quer que ele seja cremado – algo evitado por sua filha “bastarda” na última hora – depois, ele quase morre sufocado, já que as únicas pessoas que sabem do seu plano demoram para tirá-lo do túmulo. No fim da novela, o comendador é realmente assassinado, mas seu fantasma aparece na última cena da trama, fechando a cortina da sala.

            14 – Beto Falcão (Emilio Dantas) e Remy (Vladimir Brichta) – Segundo Sol, 2018

            Atual trama de João Emanuel Carneiro. No começo, um acidente faz com que todos pensem que Beto Falcão está morto. Decidido a dar um tempo e começar uma vida nova, o cantor muda de cidade e assume o nome de Miguel e se apaixona por Luzia (Giovanna Antonelli). No entanto, Karola (Déborah Secco), noiva do músico, resolve ir atrás e arma diversos planos para separar o casal. O ex-marido de Luzia acaba atacando Miguel e é morto pela moça. Miguel é internado, ficando em coma por vários meses. Ao acordar, descobre que Luzia foi presa. Já Luzia, acha que Miguel está morto e foge da cadeia, indo para o exterior. Dezoito anos se passam e Luzia volta ao Brasil. Depois de se reencontrarem, Miguel se revela para sua amada, que cai em outra armadilha de Karola e Laureta (Adriana Esteves), sendo presa novamente. Para salvá-la, Miguel revela ser Beto Falcão. Quando os pombinhos acham que terão uma vida tranquila, Remy aparece morto e a culpa cai em Luzia. No entanto, algum tempo depois, Luzia vê Remy na rua, mas é presa novamente. Remy aparece – vivo – na banheira de Laureta…