Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Crítica: Ponto Cego

Filme se utiliza da ação para tratar do racismo; e traz uma das histórias mais bem escritas do cinema em 2018
Por Antônio Pedro de Souza

Chegou às telonas brasileiras na última quinta-feira, o filme Ponto Cego (Blindspotting), que traz uma intrincada história de ação e retrata o racismo sob diversos prismas.

A história começa com Collin (Daveed Diggs) em uma audiência que lhe concederá liberdade condicional. O tempo passa e, faltando poucos dias para o término da condicional, ele presencia uma troca de tiros que culmina com o assassinato de um homem negro.

Hesitante entre denunciar o crime e seguir seus últimos dias longe da polícia, Collin recebe ajuda de seu melhor amigo, Miles (Rafael Casal). O problema é que o próprio Miles tem sua cota de culpa na prisão de Collin, além de ter seu próprio histórico de brigas e delitos.

Aos poucos, vamos conhecendo as nuances que compõem cada personagem, bem como ficamos cientes do tema central do filme. O racismo é abordado de forma clara, sem tabus, visando explicar o quão prejudicial ele é para qualquer sociedade em que se faça presente.

Vale ressaltar uma cena em que Collin brinca com o filho de Miles e o menino ergue os braços se “rendendo” e pedindo para que o seu oponente não “atire” nele. Isso causa um profundo mal-estar em Collin, pois ele percebe que a criança, por ser negra, traz um estigma causado pelo preconceito enfrentado.

Também é no desenrolar da história que descobrimos o motivo que levou Collin a ser preso e, quase no fim, há o embate entre ele e o policial autor do assassinato presenciado no começo da trama.

Bem escrito e dirigido, Ponto Cego traz ótimas cenas de ação, pinceladas de humor para dar o contraste necessário que a história pede e um pano de fundo pseudo-romântico entre o protagonista e sua ex-esposa.

O saldo final é positivo em todas as frentes a que o filme se propõe tratar e deixa o espectador com aquele gostinho de querer mais “dez minutos” de filme.

***

Nota do Crítico: 10

***

 

Sinopse Oficial:

Em Oakland, Califórnia, o ex-presidiário Collin (Daveed Diggs) enfrenta os últimos dias de liberdade de condicional antes de acertar as suas contas com a justiça. Quando presencia uma troca de tiros envolvendo policiais, ele hesita sobre a melhor coisa a fazer e conta com a ajuda de seu amigo de infância, Miles (Rafael Casal). Contudo, o caso expõe as diferenças de pensamentos entre ambos e revela os traumas sociais de cada um.

***

Ficha Técnica:

Diretor:

Carlos Lopez Estrada

Elenco:

Daveed Diggs – Collin

Rafael Casal – Miles

Janina Gavankar – Val

Jasmine Cephas Jones – Ashley

Wayne Knight – Patrick

Utkarsh Ambudkar – Rin

Tisha Campbell-Martin – Mama Liz

Kevin Carroll – James

Roteiro:

Rafael Casal

Daveed Diggs

Trilha Sonora:

Michael Yezerski

Produção:

Keith Calder

Jessica Calderón

Rafael Casal

Daveed Diggs

Chris Harding

Estúdios:

Produção: Snoot Entertainment

Distribuidor brasileiro: Paris Filmes