Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Crítica: Hotel Artemis

Por Vitor Damasceno

Los Angeles, ano 2028. Na realidade o ano parece mais com 2050. Há muito caos social e urbano. O crime organizado criou um hospital exclusivo a ‘sócios’ com regras rígidas e medicina avançada. Quem comanda o lugar é a personagem vivida por Jodie Foster com a ajuda do moço carismático de “Guardiões da Galaxia”. E o elenco estelar não para por aí.

É interessante como “Hotel Artemis” fica em cima do muro entre o conquistá-lo ou não. Não chega a ser a divisão de amor ou ódio e muito menos a indiferença. É um filme bastante ambicioso, mas que pessoalmente causou a sensação de morrer na praia. Explico: a história é sim envolvente, a construção das ações é boa, tudo em um futuro com toques que lembra muito os filmes de Luc Besson e isso é o primeiro ponto alto. Nos desperta uma curiosidade sobre aquela cidade e mesmo que a ação seja transferida para um lugar fechado, o hospital em questão é cheio de mistérios e curiosidades tecnológicas abrigando ‘hóspedes’ naturalmente engajadíssimos no mundo do crime.

E aí entra a fraqueza, não dá claramente pra saber se é o roteiro ou a direção que vai moldando essa história dentro de um lugar comum de outros filmes que pode deixar a todos no automático: você só fica ali assistindo sem tanto prazer.

Inicialmente somos apresentados a uma narrativa simples onde uma médica dirige um grandioso hospital clandestino e embora seja claramente proibido conflitos dentro do local, ele é o palco de guerra, revelações e libertações. Curioso que todos esses fatos se encaixam sem problema. Mérito da direção e dos atores.

Jodie Foster tem a capacidade de dar uma veracidade e seriedade a seus personagens, misturado com um distanciamento deles conosco que acaba nos seduzindo sem perceber. Aqui ela está desprovida de vaidade, com muitas rugas no rosto, as vezes com um texto beirando ao fraco afetando sua atuação, mas que encontra uma personagem coadjuvante interessantíssima (Morgan) cheia de emoção responsável por trazer seus segredos à tona.

Esse é o segundo ponto alto onde os atores de um modo geral sustentam o filme e o drama da personagem de Foster é bem explorado. Aliás, sua dor pessoal é tamanha que poderia render um tempo para nós mesmos explorarmos as consequências que trouxe até para aquela Los Angeles. Se ao fim você se decepcionar com final escolhido, se atenha aos outros aspectos, pois nem todo mundo tem a habilidade de um Almodóvar para apresentar finais (e inícios) poéticos como poderia ser empregado nesse filme, em respeito a toda a atmosfera construída.

***

Nota do crítico: 7 de 10

***

Ficha técnica:
Hotel Artemis (EUA e Reino Unido, 2018)
Direção e roteiro: Drew Pearce
Elenco: Jodie Foster, Jenny Slate, Sterling K. Brown, Dave Bautista, Sofia Boutella, Zachary Quinto, Charlie Day, Brian Tyree Henry.
Produção: Lionsgate
Distribuidor brasileiro: Diamond Films