Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Obra de Benito Barreto será analisada durante palaestra

Evento, que será conduzido pela doutora em Literatura Brasileira, Maria Lúcia Babosa, acontece na terça-feira, 28 de agosto, na Academia Mineira de Letras;  Entrada é gratuita
Por Redação Feira Cultural

A Academia Mineira de Letras recebe, na quarta-feira (28), às 19h30, a palestra Benito Barreto e a poética histórica e memorialista, com a doutora em Literatura Brasileira Maria Lúcia Barbosa. O evento faz parte do programa Universidade Livre – Plano Anual de Manutenção AML. A entrada é gratuita. Na palestra, a doutora Maria Lúcia Barbosa pretende focalizar e discorrer sobre a importância ficcional do escritor. “Os enfoques histórico-sociais da produção de Benito Barreto se tornam vigorosos em virtude de uma perspectiva com a qual ele elabora as narrativas delineadas por uma ótica conjuntural dos fatos”, analisa a palestrante.

Segundo ela, as questões históricas e memorialistas presentes nos textos potencializam a significação com sua inserção no panorama global e ganham “status de verdade”. “Elas iluminam as relações de interesse que, por sua vez, esclarecem as reais motivações das situações vividas no dia a dia, as quais não são naturais, mas resultado do processo histórico de que participam”, observa.

Evento será realizado na quarta-feira (28), às 19h30, com entrada gratuita © Divulgação /AML

Detentor da cadeira nº 2 da Academia Mineira de Letras e um dos grandes escritores mineiros, Benito Barreto nasceu em Dores de Guanhães, no Vale do Rio Doce, em 1929. Começou a escrever poemas durante os estudos no Ginásio São Francisco, em Conceição do Mato Dentro. Mudou-se para Belo Horizonte aos 16 anos, onde começou a trabalhar como revisor dos jornais locais e se filiou ao Partido Comunista Brasileiro.

A partir dos anos 1950, torna-se nome conhecido na imprensa mineira, ao atuar em redações como as do Jornal do Povo, do Correio da Tarde, da Tribuna de Minas e do Correio do Dia. Assume a secretaria de redação da revista de cultura Horizonte, de criação e editoração do poeta Otávio Dias Leite, na qual publica contos e crônicas, notadamente, uma carta aberta ao cônsul dos Estados Unidos, em defesa dos cientistas Julius e Ethel Rosenberg, então acusados de passar segredos nucleares à União Soviética e, por isso, levados à cadeira elétrica.

Com um viés de literatura histórica e, como o disse em orelha do livro o seu apresentador, “amassado no barro de muita vida e lutas vividas” – a sua militância revolucionária no Nordeste –, Benito lança seu primeiro romance, “Plataforma vazia”, em 1962, pela editora Itatiaia, prefácio de Jorge Amado e vencedor do prêmio “Cidade de Belo Horizonte”, seguido dos romances “Capela dos homens”, (um dos prêmios Walmap, Rio, 1967; Record, 1968), “Mutirão para matar” e “Cafaia” (Interlivros, 1974/75), com os quais o autor conclui sua Saga dos Anos de Chumbo, assim chamada nos meios da resistência à ditadura militar e vai chamar-se “Os guaianãs”, a partir da edição gaúcha de 1986, em dois volumes, organizada pelo escritor, poeta e crítico literário José Hildebrando Dacanal, com o selo da então Editora Mercado Aberto. “Capela dos homens” e “Cafaia” mereceram tradução para o russo e lançamento em um só volume pela editora Progresso, de Moscou, com apreciação crítica, ilustrações e uma tiragem de 100 mil exemplares, em 1986.

Uma visão ficcional da Inconfidência: em 2009, o escritor lança “Os Idos de Maio”, primeiro volume de sua segunda tetralogia ou “Saga do Caminho Novo”, que se completa com “Bardos & Viúvas” (2010), “Toque de silêncio em Vila Rica” (2011) e “Despojos: a festa da morte na Corte” (2012). Em 2013, o conjunto da obra rendeu ao autor o prêmio de melhor romance histórico do ano, pela União Brasileira de Escritores – seção Rio de Janeiro. Outros trabalhos do escritor: “Vagagem” (Casa de Minas, 1978), “A última barricada” (Casa de Minas, 1993) e “Um caso de fidelidade” (Itatiaia, 2000).

A obra ficcional de Benito Barreto, notadamente no que toca às suas duas sagas, mereceu a interpretação pela imagem, não raro, genial, profusa, de pintores e desenhistas que lhe deram corpo, uma face, alma e movimento em telas a óleo e tinta, lápis e carvão, como, entre outros, Amilcar de Castro, Sebastião Januário, Ziraldo, Haroldo Mattos.

Maria Lúcia Barbosa é doutora e mestre em Literatura Brasileira pela UFMG, especialista em Literaturas de Língua Portuguesa pela PUC Minas e graduada em Letras – Português/Inglês pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH). Atua como pesquisadora junto ao Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias (Clepul), da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (ULisboa), em Portugal, e no grupo de pesquisa Letras de Minas, da UFMG, cadastrado no Diretório dos Grupos de Pesquisas no Brasil, do CNPq.

Serviço:
Palestra “Benito Barreto e a poética histórica e memorialista”, com Maria Lúcia Barbosa
Data:
28/, 28/8 (terça-feira)
Horário: 19h30
Local: Academia Mineira de Letras
Endereço: Rua da Bahia, 1.466 – Lourdes
Entrada gratuita
Informaçoes:
(31) 3222-5764 | academiamineiradeletras.org.br