Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Mostra “Horizontes Urbanos” chega à 7ª edição enaltecendo a produção feminina em dança

Programação conta com estreia do espetáculo “Em Algum Lugar de Mundo”, da Cia Sesc de Dança; Evento acontece nos dias 18 e 19 de agosto
Por Redação Feira Cultural

Nos dias 18 e 19 de agosto (sábado e domingo), a Mostra Horizonte Urbanos, que neste ano aborda o tema Perspectivas em Movimento, vai invadir a Praça Duque de Caxias, em Santa Tereza, e Praça JK, na Av. Bandeirantes, com apresentações de dança que foram concebidas para estabelecer uma interação com o espaço urbano. A entrada é gratuita.

Artistas mineiros e do Rio de Janeiro integram a grade de programação, que é toda gratuita. As apresentações vão ocorrer entre 10h e 12h30. No sábado (18) as apresentações serão na Praça Duque de Caxias e, no domingo (19), se repetem na Praça JK, no mesmo horário. A curadoria é de Wagner Tameirão.

Nesta edição, o feminino assume protagonismo. Todas as coreografias foram criadas e capitaneadas por mulheres, que estarão em cena ou são responsáveis pela criação dos espetáculos. Entre as atrações está a estreia do espetáculo Em Algum Lugar de Mundo, da Cia SESC de Dança, que tem concepção e coreografia de Dudude Herrmann e trilha sonora de Luiz Nevada.

Em Algum Lugar de Mundo © Henrique Chendes

A programação conta também com os espetáculos “Acaso”, com a bailarina Gutielle Ribeiro, que também assina a concepção coreográfica; “PlaylistA”, da Movasse – Coletivo de Dança; e “Resistência”, que possui concepção e atuação de Aline Corrêa, de Macaé, Rio de Janeiro.

A mostra deste ano ainda vai promover um encontro entre os artistas para se debater a produção de dança e a relação dos corpos e os espaços urbanos. O debate será aberto ao público e vai acontecer no dia 18/08 às 17h, na CasaManga. Durante esse encontro, a bailarina Ana Paula Cançado fará sua participação com o solo “Solitude”.

A mostra Horizontes Urbanos propõe, nesta edição, o diálogo com o espaço urbano a partir da liberdade que os corpos podem ter ao se expressar junto à cidade e seus habitantes.

Durante as edições anteriores já se manifestaram na cidade corpos artísticos de aproximadamente 42 atrações entre companhias, bailarinas e bailarinos de Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro, Paraná, Bahia e de diversos países: Espanha, Suíça, França, Uruguai.

Com seis edições, Horizontes Urbanos já se tornou uma referência para a dança desenvolvida especialmente para o espaço urbano, suprindo uma lacuna para essa categoria em Minas Gerais.

A mostra faz parte da rede internacional “Ciudades que Danzan”, ligada a Associación Marató de L´Espectacle, sediada em Barcelona, que tem eventos parceiros em todos os continentes, sempre com proposta de explorar apresentações para o espaço urbano em diálogo com a arquitetura.

A mostra, desde de sua primeira edição, pretende abrigar uma pluralidade de linguagens, criar um espaço de diálogos com mídias que tenham a dança e o corpo como foco de trabalho e pesquisa, além de valorizar o patrimônio arquitetônico das cidades.

 

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

 

Em Algum Lugar de Mundo, da Cia SESC de Dança – BH
O espetáculo marca sua estreia na programação da mostra Horizontes Urbanos. Com concepção e coreografia de Dudude Hermann e trilha sonora de Luiz Nevada, o espetáculo traduz uma poética do SIM, geradora de impulsos afirmativos para com a VIDA, alimentados por uma pulsão de esperança e desejos de um MUNDO em que existir junto é sim celebrar. Uma celebração de corpos-espaços que dançam, desenham rodopios, espiralados, asas em pleno voo. Os interpretes dançantes constroem, durante um intervalo de tempo, fragmentos de mundos possíveis e desejosos de partilha.
Duração: 30min

 

Resistencia © Adretimage

Resistência, com Aline Corrêa – RJ
Este solo questiona o corpo como objeto de resistência que teve de suportar todas as fases de aprendizagem e experiências que obteve durante sua trajetória na dança e na vida. O corpo se transforma em um lugar cheio de cicatrizes, onde o passado persiste em se manter presente, mas é preciso se manter firme e seguir porque o presente é novo e surpreendente.
Duração: 15min

 

Acaso, concepção e atuação de Gutielle Ribeiro – BH
Para a bailarina Gutielle Ribeiro “Podemos muito bem, se for esse o nosso desejo, vaguear sem destino pelo vasto mundo do acaso. Que é como quem diz, sem raízes, exatamente da mesma maneira que sementes aladas. E, queiramos ou não, a nossa existência resume-se a uma sucessão de instantes passageiros aprisionados entre o tudo/nada que ficou para trás e o acaso que temos pela frente. Decididamente, neste mundo não há lugar para as coincidências nem para as probabilidades. Assim me faço e refaço no acaso ou por…”
Duração: 15min

 

PlaylistA, Movasse – Coletivo de Dança – BH
PlaylistA é uma obra de improvisação interativa que tem sua inspiração no universo feminino. O trabalho conta com 6 bailarinas, que juntas desenvolveram novas formas de se encontrar em Cena com o uso da técnica de improvisação, revisitando suas demandas internas, suas questões íntimas e um pouco do mundo que as inspira.
Duração: 40min

 

Solitude © Guto Muniz

Solitude, com Ana Paula Cançado – BH
Este solo será apresentado durante o bate papo na CasaManga, no dia 19/08, às 17h.
Solitude é uma criação feita pela coreógrafa Cassi, a partir de uma carta enviada pela artista Ana Paula, contendo depoimentos marcantes e pequenos deleites que transformaram este diálogo emocionante em movimento.
Duração: 15min

 

 

Serviço:
Mostra Horizontes Urbanos
Data:
18/8 (sábado), às 10h, na Praça Duque de Caxias; e 19/8 (domingo), às 10h, na Praça JK
Entrada gratuita
Informações:
horizontesurbanos.wordpress.com