Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Crítica: Vidas à Deriva

Por Vitor Damasceno

É interessante quando um filme baseado em fatos reais consegue ser diferente dos demais do gênero como é o caso dessa história de um casal de jovens aventureiros que enfrentam sozinhos um furacão de nível 5 em pleno alto mar. Quase uma completa tragédia.

Tanto para quem leu o livro quanto para quem nunca soube da história do casal, o filme é resultado agradável com forte homenagem a eles. Não espere grandes momentos de infinitas lágrimas. Há que se conceder mérito por isso. Sabemos que há uma tragédia anunciada e ficou bem mais interessante a escolha do diretor Baltasar Karmákur em tocar o filme apresentando ao mesmo tempo dois momentos do casal: antes e após o furacão.

Nesse caso, o que torna bom ter uma história não linear é justamente percebemos a força amorosa que une esse casal. Antes ou depois do furacão os comportamentos são os mesmos. Antes, os problemas de individualidade, ingenuidade e grana são levados com a mesma coragem que nos momentos de sobrevivência em alto mar. Esse bonito amor dos jovens é pautado em raro respeito que é o suficiente para que superações sejam conquistadas.

O diretor está fazendo carreira em filmes de histórias reais, mas acredito que tirando por Vidas à Deriva, há apenas a intenção de usar o gênero para contar de maneira aparentemente despretensiosa uma história forte que de fato aconteceu. Por outro lado, a atuações dos atores principais poderiam ser mais incisivas. É interessante que antes da tragédia o ator se destaca, enquanto que após a tragédia o destaque é da atriz. Isso poderia ter sido melhor ajustado, mas pensando como um todo, o resultado é mais que válido.

Não espere um conto de fadas meloso apesar da naturalidade ingênua da jovem Tami vivida pela atriz Shailene Woodley, do sofrido “A Culpa é das Estrelas” (2014). Existe um ar de amor adolescente que não é o foco do filme. Paralelamente, o ator Sam Claflin vive o mais experiente Richard, capaz de arrancar o melhor da companheira fazendo com que ela se torne a protagonista da sobrevivência desse bonito amor.

***

Nota do crítico: 7 de 10

***

Assista ao trailer aqui.

***

Ficha técnica:

Vidas à Deriva (EUA, 2018)

Direção: Baltasar Kormákur

Roteiro: David Branson Smith

Produção:  Baltasar Kormákur, Shailene Woodley, Robert Simonds

Elenco: Sam Claflin, Shailene Woodley, Jeffrey Thomas, Elizabeth Hawthorne.

Distribuidor brasileiro: Diamond Films

***

Confira a galeria de fotos:

Todas as imagens são de divulgação da Diamond Films