Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Circuito Gastronômico de Favelas chega ao fim com dois dias de festa na Rua Sapucaí

Shows ficam a cargo de Wilson Simoninha, Samba da Vera, Lindo Bloco do Amor e Unidos do Samba Queixinho
Por Redação Feira Cultural

Após oito etapas bem-sucedidas, o Circuito Gastronômico de Favelas encerra sua segunda edição com uma grande festa, no sábado (11) e no domingo (12), na charmosa Rua Sapucaí, no bairro Floresta, na região Leste de Belo Horizonte. Com entrada gratuita, este grande encontro das comunidades terá a presença dos 31 atores gastronômicos que representam as favelas contempladas pelo projeto. Assim como em todo o circuito, na festa final os pratos terão preço máximo de R$15.

São esperadas mais de cinco mil pessoas nos dois dias de evento, cujo início está programado para o meio-dia, no sábado, e para as 11 da manhã, no domingo. No primeiro dia, os festejos se estendem até 21h. No domingo, até as 20h. O acesso ao evento se dará mediante doação de 1 quilo de alimento não perecível (exceto sal e fubá).

No sábado, a festa terá a presença do badalado João Diamante, chef do restaurante Fazenda Culinária, localizado no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Haverá um workshop sob o comando dele, em que o público aprenderá a fazer bolinhos de tapioca com recheio de queijo de coalho.

Chef João e Diamantes da Cozinha © Eduardo Almeida

Lapidado entre a realidade brasileira e o sonho francês, Diamante foi criado em uma favela no Rio de Janeiro e se destacou na cozinha. Chegou a trabalhar em Paris com o lendário Alain Ducasse. Quando voltou ao Brasil, colocou em prática o projeto Diamantes na Cozinha, que oferece aulas sobre fundamentos da gastronomia a jovens e adultos. A ideia de João é de que as pessoas tenham a oportunidade de ser lapidadas como ele foi um dia.

“Um evento como o Circuito Gastronômico de Favelas permite fomentar a economia, a cultura e a sociedade local, que muitas vezes é esquecida pelos órgãos governamentais. Fico muito feliz por existir um projeto como este”, empolga-se Diamante.

Ainda no sábado, os shows ficam por conta do cantor Wilson Simoninha e do supergrupo Samba da Vera, formado por uma seleção de músicos experientes, liderados pelo rapper Flávio Renegado e pela cantora Manu Dias. A responsabilidade por animar a pista será dos DJs Maurinho e Palomita.

No domingo, o Lindo Bloco do Amor convida o grupo Unidos do Samba Queixinho. O primeiro homenageia Gonzaguinha, e o segundo é um dos blocos carnavalescos mais conhecidos de Belo Horizonte. O Samba da Vera também se apresenta. O grupo foi formado em 2017 justamente para animar o evento. Neste dia, a festa ainda conta com o DJ Yuga.

De 3 de junho a 29 de julho, o Circuito Gastronômico de Favelas passou pelos aglomerados da Serra e do Santa Lúcia, pela Pedreira Prado Lopes, pelo Alto Vera Cruz, pelo Morro Pedras, pelo Barreiro e pelas vilas Dias e Acaba Mundo. O evento aqueceu as economias locais destas comunidades, tendo como fio condutor os sabores, cheiros e temperos do morro, que encantaram as mais de 20 mil pessoas que circularam por essas oito praças. Mais de 15 mil pratos foram comercializados até agora, e o lucro sobre as vendas destes produtos vai direto para os atores gastronômicos.

Sob a batuta da Casulo Cultura, o projeto serviu mais uma vez para redescobrir e valorizar a gastronomia popular. “O encontro das comunidades é um momento muito especial. Tem lugares no Brasil em que as favelas de uma mesma cidade não conversam entre si. Mas, felizmente, em Belo Horizonte existe essa troca, como aconteceu na primeira edição, no ano passado”, explica Danusa Carvalho, idealizadora do Circuito Gastronômico de Favelas e diretora da Casulo.

Samba da Vera é atração do domingo (12) © Maíra Cabral

O impacto na vida dos participantes é real. Diones Ferreira da Silva é apenas um exemplo. No melhor estilo ogro, o pastelão de 30 centímetros preparado por ele faz um tremendo sucesso desde a primeira edição. “Eu já tinha o meu pequeno comércio, mas a situação não era nada boa e eu estava muito endividado. Foi quando surgiu a oportunidade de participar do evento, e desde então venho pagando tudo o que devia e já estou quase zerado”, conta Diones.

Para Danusa Carvalho, desde o ano passado o Circuito tem servido como incentivo para que as pessoas do morro e do asfalto conheçam os trabalhos dos cerca de 30 cozinheiros. “Queremos desmarginalizar a favela. O próximo passo será a criação da Associação de Cozinheiros de Vilas, Favelas e Periferias Brasileiras, que será liderada pelos próprios atores gastronômicos. Quero que daqui a um tempo eles mesmos possam organizar o evento”, afirma.

Exemplo de ação em gastronomia social com geração de emprego, o Circuito Gastronômico de Favelas teve apoio irrestrito das associações de moradores dos locais onde foi promovido. Crianças, idosos e famílias inteiras circularam tranquilamente pelas comunidades. As primeiras, inclusive, foram contempladas com uma área completa de lazer para se divertir, o que se repetirá na Rua Sapucaí.

O encontro das comunidades promete unir cozinheiros e cozinheiras numa festa cheia de cores, aromas e sons. Trata-se de uma grande confraternização, com infraestrutura completa para participantes e público. Haverá tudo o que temos de melhor: comida, cultura, hospitalidade, ritmo, poesia e uma vista de cartão postal.

Serviço:
Encerramento Circuito Gastronômico de Favelas
Data:
11/8 (sábado), das 12h às 21h; 12/8 (domingo), das 11h às 20h
Local: Rua Sapucaí (esquina com Avenida Francisco Sales) Floresta
Entrada gratuita (doação de 1 quilo de alimento não perecível)
Informações: circuitogastronomicodefavelas.com