Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Sessão do Curta Circuito exibe o longa “A próxima vítima”

Produtora Assunção Hernandes estará em Belo Horizonte para comentar o filme
Por Redação Feira Cultural

Um retrato da violência em meio a um país no caos. Essa frase, que poderia facilmente ser associada à realidade atual do Brasil, define bem o cenário de A próxima Vítima (1983), filme exibido pelo Curta Circuito – Mostra de Cinema Permanente na segunda-feira (4), no Cine Humberto Mauro. A sessão é gratuita e tem início às 20h. Os ingressos serão distribuídos meia hora antes da exibição.

Dirigido pelo cineasta mineiro João Batista de Andrade, o longa oferece uma radiografia nada positiva do país da época, ao final da ditadura militar, tomado pelo medo e a violência, sem líderes ou proposta social. O filme tem produção de Assunção Hernandes, uma das mais respeitadas produtoras cinematográficas do país, que estará presente na exibição para conversar com o público, junto com o crítico gaúcho Felipe M. Guerra.

Mayara Magri e Antônio Fagundes estrelam a produção nacional de 1983 © Divulgação /Curta Circuito

Com nomes como Antônio Fagundes, Othon bastos e Mayara Magri, estreando no cinema, em atuação que lhe valeu o prêmio de atriz coadjuvante no Festival de Gramado de 1984 – A próxima Vítima é considerada uma das produções mais interessantes das década de 1970 e 1980, apesar de não ter tido sucesso de público em seu lançamento.

No roteiro da produção, a cidade de São Paulo vive um clima pré-eleitoral (1982). Em meio a muita propaganda, comícios e agitação, o repórter Daví vê-se envolvido no caso dos assassinatos de prostitutas do bairro do Brás, principalmente através de seu relacionamento com a prostituta Luna, uma das possíveis vítimas.

“Entre outros fatores, porque não se integrava em nenhuma das vertentes do cinema feito naquela época: não é um filme que explora o erotismo, nem libertário e eufórico, não cumpre uma revisão da nossa história recente e muito menos oferece biografia de bandidos e marginalizados, fórmula que rendeu bem-sucedidos filmes nos anos 70”, comenta Fábio Leite, jornalista e crítico de cinema que assinou o texto sobre o filme no catálogo da mostra.

O diretor João Batista de Andrade e seu corroteirista, o autor de novelas Lauro César Muniz, apostaram em uma narrativa inusitada: uma trama de serial killer tendo como pano de fundo um momento político real, a eleição de 1982 para governador do estado de São Paulo. E uma história em que o assassino não é o protagonista, nem mesmo um personagem, mas vários. Talvez eles sejam mortos-vivos da ditadura.

Serviço:
Sessão Curta Circuito – A próxima Vítima, de João Batisa de Andrade
Data:
4/6 (segunda-feira)
Horário: 20h
Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes
Endereço: Av. Afonso Pena, 1537 – Centro
Entrada gratuita, com retirada de ingressos 30 minutos antes da sessão
Informações: (31) 3236-7400 | curtacircuito.com.br