Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Memórias guardadas e reveladas pela fotografia

Artista visual e arquiteta Mariângela Haddad expõe a individual Por trás do tapume; Mostra documenta e registra espaços sujeitos às mudanças do crescimento urbano
Por Redação Feira Cultural

No bairro Sion, na Região Centro-Sul da capital, o comércio coberto por tapumes é descoberto pela lente da artista visual e arquiteta, Mariângela Haddad, em uma série de 11 fotografias e duas montagens fotográficas que compõem a exposição gratuita Por trás do tapume, aberta a visitações a partir de terça-feira (8), na Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura.

A pesquisa da artista ultrapassa a função elementar da fotografia, que seria o simples registro, para encontrar algo mais expressivo; revela a vida que pulsa nos espaços fadados à transformação arquitetônica.

Assumindo o papel do flâneur, Mariângela vaga pelas ruas da cidade com o objetivo de experimentá-la, atenta às suas nuances, um exercício de deriva que se firma na descoberta e documentação fotográfica de espaços sujeitos às mudanças do crescimento urbano.

O ensaio é, assim, resultado da coleta de memórias que permeiam esses espaços, do cotidiano das pessoas que ali vivem e trabalham, com a consciência de que novas histórias serão construídas. A mostra fica em cartaz até 24 de junho.

Políptico Tapumes (2016) © Mariângela Haddad /Divulgação

Nas obras existe uma rica textura visual, provocada pelas marcas espontâneas deixadas durante um longo período de tempo nos ambientes fotografados.

É possível verificar diversos recados e anotações nas paredes ou em papeis fixados em todo tipo de suporte; recortes de jornais; calendários; manifestações de religiosidade ou fanatismo esportivo; acúmulo de material de trabalho, linhas, tecidos, espumas; paredes descascadas e outros sinais de precariedade.

A partir deste trabalho, Mariângela Haddad reúne rastros de histórias que fatalmente se perderão com a chegada de novas tecnologias e a inevitável transformação da paisagem urbana num antigo bairro da cidade.

“O imóvel da reformadora de sofás que fotografei, por exemplo, foi demolido em junho de 2016 e no terreno foi construída uma drogaria. Esses lugares por onde andei guardam em si uma rica memória, agora materializada e preservada pelos meus registros”, afirma a artista.

Durante o período de flânerie por Belo Horizonte, Mariângela Haddad detecta inúmeros tapumes de obras em andamento, que despertam sua curiosidade e passam, então, a ser objeto de sua pesquisa, como explica.

“Um tapume tampa, esconde, protege. Permite interferências na estrutura e nos elementos arquitetônicos desse espaço, sem o testemunho dos passantes. Pressupõe uma mudança na ordem anteriormente estabelecida, sobre o que era e sobre o que será”. Instigada a descobrir as histórias passadas e futuras destes espaços é que a artista inicia sua série fotográfica.

Bicicletaria (2016) © Mariângela Haddad /Divulgação

Em um mês, Mariângela percorreu as ruas do Sion, onde mora, e destacou três ambientes comerciais em seus registros: um ateliê de molduras e pátina de móveis, uma reformadora de sofás e uma oficina de bicicletas.

A escolha se dá pelas semelhanças: estão instalados no bairro há muitos anos, têm uma aparência degradada pela ação do tempo, são entulhados de encomendas e, com pouco espaço para trabalhar, espalham seus equipamentos pela calçada.

“Meu olhar se volta para os pequenos ofícios que resistem à ação do tempo, ao avanço tecnológico e mesmo às mudanças imobiliárias. Ocupam espaços fadados à reforma ou demolição, na medida em que o crescimento da cidade provoca modificações e uma assepsia da arquitetura urbana. Documento as paredes desses ambientes de trabalho, olhando para elas como um diário do cotidiano. Imagino futuros tapumes a cobrir esses espaços e tento capturar a história que vai se perder”, conclui a artista.

 

Serviço:
Exposição Por trás do tapume, de Mariângela Haddad
Período expositivo:
8/5 a 24/6
Horário: Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h
Local: Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura
Endereço: Praça da Liberdade, 10 – Funcionários
Informações: (31) 3289-8900 | casafiatdecultura.com.br