Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

[ENTREVISTA]: Podé Coutinho fala sobre seu novo trabalho, “Poemas para Ouvir”

Em entrevista ao site Feira Cultural, músico apresenta seu segundo álbum e comenta a rotina dividida entre carreira solo e a banda Tianastácia
Por Antônio Pedro de Souza

Esta semana o músico Paulo André Coutinho – ou, simplesmente, Podé Coutinho – lança seu segundo álbum solo: “Poemas para Ouvir”, produzido a partir de textos de Zack Magiezi. O disco dá prosseguimento à carreira solo de Coutinho iniciada em 2015 com Ânima. Naquela ocasião, Podé surpreendeu o público da banda Tianastácia ao apresentar um som mais intimista. Tom esse que promete se repetir na noite desta quinta-feira (19), a partir das 21h, no Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2244, Lourdes, BH). Em entrevista ao site Feira Cultural, o artista comentou a produção do álbum, a carreira musical dupla e os desafios encontrados:

APS -> O que é mais desafiador: compor uma música nova ou musicalizar um texto já existente?

Podé Coutinho -> Não é tarefa fácil compor uma música. Acho que é um processo de aprendizado. Eu percebo que quanto mais componho, mais aprendo, mas com certeza foi um desafio bem diferente pra mim, eu pegar os poemas do Zack e musicalizá-los. Inicialmente, ele até me autorizou a criar letras, acrescentar trechos em cima dos poemas e eu cheguei a criar quatro músicas assim, mas depois eu percebi que não tenho esse direito. A minha proposta era musicalizar e eu não tenho o direito de mexer na obra do poeta. Ele já tem uma obra tão bonita, então foi um grande desafio, mas eu acredito que exista uma sinergia entre o poema dele e a minha música porque pra todo mundo que eu mostro, comenta que parece que o trabalho foi feito junto. Então eu acho que a dedicação é o que interessa, na verdade. Eu fiquei dois anos musicalizando os poemas, tive muito trabalho, mas foi uma coisa muito enriquecedora pra mim.

Reprodução da capa do CD “Poemas Para Ouvir – Volume 1”

APS -> Como surgiu a ideia desse álbum?

Podé Coutinho -> Eu li os poemas do Zach no Instagram, fiquei impressionado e mandei uma mensagem na hora me apresentando, dizendo que era da banda Tianastácia e ele disse que conhecia e adorava a banda. Eu o convidei a vir a BH no final de 2015, eu estava lançando meu primeiro álbum paralelo ao trabalho do Tianastácia, o Ânima. Quando nos conhecemos, eu mostrei a ele uma música que já havia feito com base em um dos poemas, ele ficou encantadíssimo e propus a ele esse trabalho.

APS -> Como você concilia a carreira solo e a da banda Tianastácia?

Podé Coutinho -> Na verdade, agora é que eu vou ter que começar a conciliar, por causa dos shows. Até então, era só o processo de gravação, então dava para trabalhar tranquilamente. Agora, com o lançamento, é que vou ter que começar a administrar essa história. Na verdade, não se trata de uma carreira solo, é um trabalho paralelo ao Tianastácia, mas acho que será tranquilo: eu farei shows de segunda a quinta e o Tianastácia fará de sexta a domingo, geralmente. Se, por acaso, tiver algum show da banda na mesma data, eu não marco – ou desmarco – o meu. Mas vai dar tudo certo, existem coisas bem mais complicadas pra gente poder se preocupar…

***

Produzido por Barral Lima, Poemas para ouvir transita no universo folk com pegada pop. E nem poderia ser diferente, porque a base literária do repertório também tem raiz pop. Para quem não acompanhou a saga literária do escritor do campo virtual para as páginas impressas, a audição do disco Poemas para ouvir contribui para o entendimento de tamanho sucesso. No canto sem afetação de Podé, os textos ganham música, vida e sentimento. São canções gravadas com o humanismo recorrente nos poemas do escritor.  Podé teve a sensibilidade de gravar os poemas musicados com ênfase nos versos das canções. O álbum Poemas para ouvir apresenta músicas para serem escutadas de fora para dentro, sem o automatismo viral que move a indústria da música nos tecnológicos dias de hoje. Até porque, de um jeito coloquial e espontâneo, Magiezi escreve sobre sentimentos profundos, angústias e inadequações de seres humanos que se recusam a agir como bonecos fabricados em linha de montagem.

SERVIÇO
Podé Coutinho lança segundo disco solo Poemas para ouvir Vol. 1

Data: 19 de abril (quinta)

Horário: 21h

Local: Teatro Bradesco – Rua da Bahia, 2244 / Lourdes

Entrada: R$ 15,00 (inteira) / R$ 7,50 (meia)

Mais informações: 31 3516-1360