Widget Image
Widget Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Ut wisi enim

Assine a nossa newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Casacor aposta na mistura entre o clássico e o contemporâneo para a temporada 2017

Por Antônio Pedro de Souza

Evento abre as portas neste sábado para o público na Rua Sapucaí, no bairro Floresta

Começa neste sábado (12) e vai até 17 de setembro a edição 2017 da Casacor Minas, evento que reúne designers, arquitetos e artistas plásticos que mostram que bom gosto, comodidade e praticidade podem coexistir no ambiente doméstico. Localizada no prédio que foi sede da Rede Ferroviária Federal (Rua Sapucaí, 383, Floresta – BH), a edição 2017 mescla técnicas, cores e formatos clássicos e contemporâneos.

Todos os ambientes projetados procuraram resguardar o aspecto original do casarão de três andares. O piso e o teto originais do edifício se integram a praticamente todos os projetos expostos. Em alguns casos, os visitantes podem conferir as etapas de restauração da pintura das paredes e observar as várias camadas de cores que o lugar recebeu com o passar dos anos.

Logo na entrada, a designer de interiores Dodora Gontijo apresenta uma confortável sala. O espaço brinca com luzes e sombras, aproveitando a posição da janela do casarão, por onde a luz do pôr-do-sol penetra no ambiente, deixando-o confortável e convidativo para um bate-papo no fim de tarde.

Na sequência, Isabela Bethônico apresenta sua cozinha: confortável e prática, ela possui todos os aparatos necessários para o bom funcionamento do ambiente sem ocupar muito espaço. Em um cômodo acoplado fica a dispensa, que também possui um charme especial.

Dodora Gontijo, ao lado do espelho criado por Jader Almeida, explica o conceito de sua sala © Antônio Pedro de Souza

No segundo andar, os quartos dominam o ambiente; mas ainda há espaços para luxuosas salas de TV, de estar, lounges e banheiros. Em um dos espaços, Rosana Guedes apresenta seu “quarto para o par”. Ela faz questão de ressaltar que o espaço é destinado a um casal, independente do gênero. Com tons neutros, que evocam intimidade, conforto e descanso, o local, seguido de seu relaxante banheiro, está apto a ser usado por um casal – seja formado por um homem e uma mulher, dois homens ou duas mulheres. Um detalhe interessante: o closet, formado por peças unissex, segue o estilo vegano: não há couro, seda ou outro material de origem animal.

Ainda na linha de quartos, Renata Ferreira apresenta um espaço destinado ao público adolescente. Inspirado em seu próprio filho de 14 anos, ela idealizou um quarto baseado no jogo Minecraft, no qual detalhes do piso e das paredes lembram os famosos pixels e quadrados que compõem os cenários do jogo. Até o baú, em que o personagem central guarda suas ferramentas foi lembrado e está à disposição para guardar objetos pessoais do morador. A parede atrás da mesa de computador faz alusão aos circuitos de um computador.

Mariana Nogueira apostou no tradicional em seu “quarto de vestir”. Voltado para o público feminino, o espaço recria a penteadeira, dando ao móvel um ar ao mesmo tempo moderno e nostálgico. Peças antigas, como luminárias, estantes e objetos de decoração interagem com roupas, calçados e assessórios atuais do vestiário feminino. O jogo de luz proposto para o espaço dá um ar de calma, para que a usuária se arrume em seu próprio tempo, sem pressa.

Espaço. Esta é a proposta de Danielle Bellini para a sua sala de 93m². O local abriga uma confortável sala de estar, na qual o anfitrião pode receber suas visitas e, ao mesmo tempo, assistir a um bom filme na TV. Bellini destaca o móvel de 10 metros, criado para abrigar a TV de 75’’, o telão de 140’’ e demais equipamentos para o entretenimento caseiro. Ainda acoplado ao espaço, há um outro móvel que pode ser usado para preparar bebidas, petiscos e para uma conversa informal, dando ao local um estilo de lounge. A automação é um dos aspectos do espaço. Os moradores podem usar comandos de voz para controlar a luz, o projetor, o som, etc.

Quando se trata de conforto, privacidade e relaxamento, a “sala de banho” idealizada por Rodrigo Aguiar, é o local perfeito. O espaço possui tudo o que uma sala de banho e um banheiro convencional precisam, mas vai além. Já na ante-sala do espaço é possível ver o conforto proposto por Aguiar: com uma iluminação e móveis aconchegantes, o ambiente faz com que o morador se sinta à vontade para usufruir de sua própria privacidade/intimidade. Aguiar explica que pensou nesta sala como um espaço para onde as pessoas vão usar não somente como um “banheiro”. Lá, elas poderão tirar um tempo para ler o jornal, mexer no celular, pensar na vida.

Detalhes do quarto inspirado no jogo Minecraft, de Renata Ferreira © Antônio Pedro de Souza

Para agradar os amantes da boa cozinha mineira, Ana Paula Rolhfs projetou um espaço que lembra as grandes cozinhas de fazendas e casas do interior. Tradição e modernidade se encontram o espaço ao mesmo tempo amplo, aconchegante e funcional. Um tradicio-nal fogão à lenha divide o cenário com um moderno fogão cooktop. A pedra que serve de base para ambos, abriga ainda duas espaçosas gavetas para guardar talheres e utensí-lios domésticos. Um armário de madeira abriga ainda uma geladeira e, ao lado, um tan-que com uma queijeira – comum nas casas do interior do estado.

Confortáveis poltronas adornam o local, convidando para uma boa conversa ao pé do fogão, acompanhada de um café, bolo, pão de queijo e outras delícias da cozinha mineira. Na saída da cozinha, vasos com árvores frutíferas fazem a transição do interior para o exterior da residência. A ideia de Ana Paula é que esta seja uma “cozinha de quintal”: ou seja, ocupe um espaço que não esteja totalmente dentro ou fora de casa, mas sim, nesta “fronteira” entre os ambientes. Ana ressaltou que, após o fim da Casacor, reproduzirá o ambiente em sua própria casa.

Novos conceitos – Quem visitar o terceiro andar, poderá se atentar aos conceitos de “banheiros sem gênero”. Os espaços brincam com a questão do masculino/feminino. Por exemplo, no espaço que seria reservado aos homens, com a cor mais cinza, as formas na madeira que compõe o teto são curvas, dando um ar feminino ao local. O mesmo ocorre no espaço que seria reservado às mulheres: embora tenha as paredes rosas, a madeira do teto tem formas mais retas, masculinas. Há, ainda, uma escultura alusiva ao músico Da-vid Bowie, falecido em 2016. O terceiro espaço, todo verde, não é um banheiro – embora lembre bastante uma sauna. Nele, os visitantes poderão conferir uma exposição foto-gráfica diferente. Para ver as fotos, o público deverá usar óculos especiais, que serão distribuídos na entrada.

O “quarto para o par” aposta em cores neutras para agradar os moradores, independente de gênero © Antônio Pedro de Souza

Ainda no terceiro andar, os visitantes podem conferir uma exposição com roupas e aces-sórios do século XIX. Intitulada de Novo Mundo: A Arte de Vestir no Século XIX, a mostra idealizada pela Rede Globo apresenta figurinos e acessórios utilizados na novela das seis.

No espaço destinado a eventos e oficinas da Casacor, funciona uma oficina, onde são confeccionados móveis. Antes da mostra começar, foi oferecido um curso no qual os alunos projetaram e criaram diversos móveis, que podem ser vistos no espaço. Após o fim da Casacor, os alunos levarão seus trabalhos para casa. Quem toma conta do espaço é Rafael Cordeiro que, além de supervisionar a oficina e os projetos de móveis criados no local, desenhou as máquinas que são usadas na confecção dos objetos. Rafael ressalta que os bancos, cadeiras e mesas expostas no espaço não são apenas para serem observa-das e admiradas: “Tem que sentar. Tem que experimentar o bom trabalho dos alunos da nossa oficina”.

Um outro ambiente interessante no topo do casarão é um quarto espelhado com barban-tes coloridos que pendem do teto. O visitante poderá “se perder” no labirinto de cordi-nhas e espelhos e fazer fotos e vídeos inusitados. Após o fim da Casacor Minas 2017, a restauração do casarão deve continuar – a fachada ainda não foi reformada, por exemplo – e o local será transformado em um museu.

Os visitantes podem conferir o trabalho de restauração da pintura do casarão. Em alguns momentos, é possível ver as diversas camadas de cores que uma parede já teve © Antônio Pedro de Souza

Serviço:
Casacor 2017
Visitações: de 12/8 a 17/9
Endereço: Rua Sapucaí, 383, Floresta – Belo Horizonte
Horário: de terça a sexta, das 15h às 22h; sábados, das 13h às 22h; domingos e feriados, das 13h às 19h
Ingresso: R$40,00 (inteira) – menores de 10 anos não pagam mediante acompanhamento dos pais ou responsáveis